menu
 
 

REN

Relatório de Sustentabilidade

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA GRI 

Indicador Informação Correspondente
Estratégia e Análise
G4-1 Mensagem do presidente Pág. 8-10
G4-2 Impactes, riscos e oportunidades Pág. 57-64; Pág. 77, 84-86, 98, 110, 136
Perfil Organizacional
G4-3 Denominação REN – Redes Energéticas Nacionais, SGPS, S.A.
G4-4 Marcas e serviços Pág. 16-18
G4-5 Sede social Av. Estados Unidos da América, 55 - 1749-061 Lisboa
G4-6 Países em que opera Portugal
G4-7 Tipo e natureza legal de propriedade Pág. 16-18
G4-8 Mercados abrangidos Portugal
G4-9 Dimensão da organização Pág. 26
G4-10 Caraterização da mão de obra Pág. 111-115
G4-11 Colaboradores abrangidos por acordos de negociação coletiva Pág. 119
G4-12 Cadeia de fornecedores Pág. 51-54
G4-13 Alterações significativas na organização ou na cadeia de fornecedores Pág. 54
G4-14 Abordagem ao princípio da precaução Pág. 104-106
G4-15 Participação em iniciativas que a organização subscreva Pág. 105, UN Global Compact
G4-16 Participação em associações e organismos nacionais/internacionais Pág. 131-133
EU1 Capacidade instalada, discriminada por fonte de energia primária e por regime de regulação A atividade da REN não inclui a produção de energia, não sendo por isso considerado um indicador aplicável.
EU2 Produção de energia líquida, discriminada por fonte de energia primária e por regime de regulação A atividade da REN não inclui a produção de energia, não sendo por isso considerado um indicador aplicável.
EU3 Número de contas de clientes residenciais, industriais, institucionais e comerciais A atividade da REN não inclui a produção de energia, não sendo por isso considerado um indicador aplicável.
EU4 Comprimento das linhas (above and underground) de transmissão e distribuição por regime de regulação Pág. 28
EU5 Atribuição de licenças de emissão de CO2, de acordo com a lei de comércio de carbono Pág. 40
Âmbito e Limites do Relatório
G4-17 Lista de todas as entidades incluídas nas demonstrações financeiras consolidadas ou documentos equivalentes da organização. Pág. 12-14
G4-18 Definição Do Conteúdo Do Relatório E Limites Dos Aspetos Pág. 107
G4-19 Lista De Aspetos Materiais Pág. 107
G4-20 Identificação dos aspetos materiais no interior da organização Pág. 107
G4-21 Identificação dos aspetos materiais no exterior da organização Pág. 107
G4-22 Técnicas de medição e bases de cálculo Notas metodológicas - www.ren.pt
G4-23 Alterações Significativas Em Relação A Períodos Cobertos Por Relatórios Anteriores Não ocorreram alterações face ao relatório anterior.
Relacionamento com as Partes Interessadas
G4-24 Lista das partes interessadas Pág.108; http://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/a_nossa_abordagem/envolvimento_com_stakeholders_e_modelo_de_governance/
G4-25 Base para identificação das partes interessadas Pág.108; http://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/a_nossa_abordagem/envolvimento_com_stakeholders_e_modelo_de_governance/
G4-26 Abordagens do relacionamento com as partes interessadas Pág.108; http://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/a_nossa_abordagem/envolvimento_com_stakeholders_e_modelo_de_governance/
G4-27 Temas e preocupações das partes interessadas e resposta Pág.108; http://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/a_nossa_abordagem/envolvimento_com_stakeholders_e_modelo_de_governance/
Perfil do Relatório
G4-28 Período abrangido 1 janeiro 2017 a 31 dezembro 2017
G4-29 Data do último relatório Relatório & Contas 2016
G4-30 Ciclo de publicação Anual
G4-31 Contactos Pág. 409, sustentabilidade@ren.pt
G4-32 Índice GRI Presente tabela
G4-33 Verificação Externa Anexo - Relatório de verificação 
Governação
G4-34 Estrutura De Governação Pág. 320-321
G4-35 Processo de delegação de autoridade (nas áreas económica, ambiental e social) da gestão de topo em membros executivos ou outros trabalhadores Pág. 327
G4-36 Designação De Cargos E Funções De Nível Executivo Responsáveis Pelos Tópicos Económicos, Ambientais E Sociais Pág. 327
G4-37 Mecanismos De Comunicação Com Acionistas E Colaboradores Pág.108; http://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/a_nossa_abordagem/envolvimento_com_stakeholders_e_modelo_de_governance/
G4-38 Composição do Conselho de Administração: executivos/não executivos; independentes Pág. 335-336
G4-39 Indicação se Presidente do Conselho de Administração é membro executivo e suas funções Pág. 338-341
G4-40 Processos de seleção e nomeação para o mais alto órgão de gestão e seus Comités Pág. 319
G4-41 Procedimentos para a gestão de topo evitar e gerir conflitos de interesse Pág. 321
G4-42 Desenvolvimento, Aprovação E Atualização Da Missão, Visão E Valores, E Definição De Estratégias, Políticas E Metas Pág. 327
G4-43 Medidas Para Desenvolver/Aperfeiçoar O Conhecimento Da Gestão De Topo Sobre Tópicos Económicos, Ambientais E Sociais Nas reuniões de Comissão Executiva e no envolvimento das várias áreas funcionais neste temas.
G4-44 Avaliação De Desempenho Da Gestão De Topo Pág. 334-335
G4-45 Identificação E Gestão Impactos, Riscos E Oportunidades Económicas, Ambientais E Sociais Pela Gestão De Topo Pág. 329-331
G4-46 Análise Da Eficácia Dos Processos De Gestão De Risco Associados A Tópicos Económicos, Ambientais E Sociais Pela Gestão De Topo Pág. 329-331
G4-47 Frequência com que o Conselho de Administração revê os impactos (económico, ambiental e social), os riscos e as oportunidades Pág. 321
G4-48 Aprovação Formal Do Relatório de Sustentabilidade da Organização
É a Comissão Executiva, em primeira instância, e o Conselho de Administração em última quem analisa, aprova formalmente e se certificade que todos os aspectos materiais, em termos de sustentabilidade, são abordados no Relato de Sustentabilidade.
G4-49 Processos de comunicação de preocupações críticas à gestão de topo Pág.108; http://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/a_nossa_abordagem/envolvimento_com_stakeholders_e_modelo_de_governance/
G4-50 Preocupações Críticas Comunicadas À Gestão De Topo Dirigidas à Comissão Executiva e tratadas nas reuniões da Comissão Executiva.
G4-51 Relação Entre Remuneração E Desempenho Organizacional Pág. 332; 359-369
G4-52 Processo Adotado Para A Determinação Da Remuneração Pág. 332; 359-369
G4-53 Integração da opinião das partes interessadas quanto à remuneração Pág.108; http://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/a_nossa_abordagem/envolvimento_com_stakeholders_e_modelo_de_governance/
G4-54 Remuneração Anual Total Do Indivíduo Mais Bem Pago Da Organização A REN não publica/reporta essa informação publicamente, por questões de confidencialidade.
G4-55 Remuneração Anual Total Do Indivíduo Mais Bem Pago Da Organização -Aumento A REN não publica/reporta essa informação publicamente, por questões de confidencialidade.
G4-56 Valores, Principios E Códigos De Conduta
A missão, visão e valores da REN podem ser consultados em: http://www.ren.pt/pt-PT/quem_somos/missao_e_valores/
Ética e Integridade
G4-57 Mecanismos Internos E Externos Para Solicitar Orientações Sobre Comportamentos Éticos A REN possui um Código de Conduta que constitui uma referência para o público no que respeita aos padrões de conduta da empresa quer no relacionamento entre colaboradores, quer no relacionamento com terceiros. É neste Código de Conduta que está definido, para além das regras éticas que têm de ser respeitadas, o processo que qualquer colaborador da REN, accionista, cliente, fornecedor ou qualquer outra entidade directamente interessada pode utilizar para comunicar ao Presidente da Comissão de Auditoria eventuais irregularidades ou infracções previstas no Código. Relativamente tratamento de comunicação de irregularidades e à averiguação de irregularidades, a REN dispõe também de um procedimento formalmente estabelecido e aprovado pela Administração que garante o tratamento destes processos de maneira transparente e imparcial. Relevante é o facto de as comunicações de irregularidades serem tratadas de forma confidencial. Através do Código de Conduta da REN a REN prevê os respectivos mecanismos para solicitar orientações sobre comportamentos éticos. Para mais informação:  http://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/a_nossa_abordagem/
G4-58 Mecanismos Internos E Externos Adotados Para Comunicar Preocupações Em Torno De Comportamentos Não Éticos
A REN possui um Código de Conduta que constitui uma referência para o público no que respeita aos padrões de conduta da empresa quer no relacionamento entre colaboradores, quer no relacionamento com terceiros. É neste Código de Conduta que está definido, para além das regras éticas que têm de ser respeitadas, o processo que qualquer colaborador da REN,
accionista, cliente, fornecedor ou qualquer outra entidade directamente interessada pode utilizar para comunicar ao Presidente da Comissão de Auditoria eventuais irregularidades ou infracções previstas no Código. Relativamente tratamento de comunicação de irregularidades e à averiguação de irregularidades, a REN dispõe também de um procedimento formalmente estabelecido e aprovado pela Administração que garante o tratamento destes processos de maneira transparente e imparcial. Relevante é o facto de as comunicações de irregularidades serem tratadas
de forma confidencial. Através do Código de Conduta da REN a REN prevê os respectivos mecanismos para solicitar orientações sobre comportamentos éticos. Para mais informação: 
TEMAS MATERIAIS
Política Ambiental/Sistemas de Gestão Ambiental
ENERGIA G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 134
G4-EN3 Consumo direto de energia
Pág. 134 Todos os combustíveis consumidos e contabilizados pela REN são de origem fóssil. No caso da frota REN, são apenas contabilizados os consumos de combustível utilizada para serviço. 
G4-EN4 Consumo de energia fora da organização Os consumos de energia fora da organização passiveis de medição estão associados ao transporte de trabalhadores em viagens de avião em serviço. A REN não dispõe de ferramentas para calcular esses consumos, contudo as emissões de CO2 relacionadas com estas viagens são reportadas no capítulo das emissões (Emissões de Âmbito 3 - G4-EN17).
G4-EN5 Intensidade energética Rácio calculado com base no consumo direto de energia e a energia transportada. O valor REN é de 4,82 GJ/GWh.
G4-EN6 Redução do consumo de energia Pág. 138; 142
G4-EN7 Reduções nas necessidades energéticas dos produtos e serviços Pág. 138; 142
BIODIVERSIDADE G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 140-142
G4-EN11 Localização e área dos terrenos pertencentes, arrendados ou administrados pela organização, no interior de zonas protegidas, ou a elas adjacentes, e em áreas de alto índice de biodiversidade fora das zonas protegidas Pág. 140-142
G4-EU13 Comparação entre a biodiversidade dos habitats recuperados e a dos habitats originais Estão implementados planos de monitorização em obras de linhas e subestações, para os aspetos ambientais de maior impacte. A REN não tem meios para aferir qual o estado original dos habitats, visto se tratarem de instalações antigas das quais a REN não dispõe de informação acerca do seu estado original.
G4-EN12 Impactes significativos sobre áreas protegidas ou de elevado valor para a biodiversidade fora das zonas protegidas Pág. 140-142
G4-EN13 Habitats protegidos ou recuperados
G4-EN14 Número de espécies na Lista Vermelha da IUCN e da lista de conservação nacional de espécies com habitat em áreas afectadas pelas operações, discriminadas por nível de risco de extinção
ASPECTOS AMBIENTAIS DE PRODUTOS E SERVIÇOS G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 134-146
G4-EN27 Iniciativas para avaliar e mitigar impactes ambientais Mais informação em: http://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/a_nossa_abordagem/,  http://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/protecao_ambiental/politica_ambiental/avaliacao_ambiental_/avaliacao_ambiental_estrategica/ http://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/protecao_ambiental/politica_ambiental/avaliacao_ambiental_/avaliacao_de_projectos/
G4-EN28 Percentagem recuperada de produtos vendidos e respetivas embalagens Este indicador não é aplicável à atividade da REN, uma vez que a empresa não comercializa produtos com embalagem.
CONFORMIDADE AMBIENTAL G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 134-135
G4-EN29 Processos e multas por incumprimento de legislação sobre assuntos ambientais No ano de 2017 foram levantados 11  processos de contraordenaçãos ambiental; Foram concluídos 14 processos, não tendo sido atribuída culpa à REN em nenhum; Transitaram de anos anteriores 39 processos.
AMBIENTE GERAL G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 134-146
G4-EN31 Total de gastos e investimentos ambientais por tipo REN CONSOLIDADO (2017) (€) 49.097 Monitorização 99.783 Auditoria, Consultoria e Comunicação Ambiental 2.890 Gestão de Instalações 3.480.059 Limpeza de Florestas 120.454 Medidas Compensatórias 218.094 Proteção de Avifauna 3.970.379 TOTAL
MECANISMOS DE QUEIXAS E RECLAMAÇÕES G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 134-146
G4-EN34 Número de reclamações ambientais A REN não recebeu outras queixas ou reclamações formalmente apresentadas relacionadas com aspetos ambientais para além das referidas no indicador G4-EN29.
DESEMPENHO ECONÓMICO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 134-146
Prevenção das Alterações Climáticas
G4-EC2 Implicações financeiras, avaliação de riscos e oportunidades decorrentes das alterações climáticas Para mais informações sobre os riscos e implicações derivadas das alterações climáticas, por favor consultar o questionário do CDP (2017), disponível em: https://www.cdp.net/en/responses/15655?back_to=https%3A%2F%2Fwww.cdp.net%2Fen%2Fresponses%3Futf8%3D%25E2%259C%2593%26queries%255Bname%255D%3DREN%2B-%2BRedes%2BEnerg%25C3%25A9ticas%2BNacionais&queries%5Bname%5D=REN+-+Redes+Energ%C3%A9ticas+Nacionais
EMISSÕES G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 134-146
G4-EN15 Emissões diretas de GEE (Âmbito 1) Pág. 137
G4-EN16 Emissões indiretas de GEE (Âmbito 2) Pág. 137
G4-EN17 Outras emissões indiretas de GEE (Âmbito 3) Pág. 137
G4-EN18 Intensidade de emissões de GEE Rácio calculado com base nas emissões de âmbito 1 e âmbito 2 e a energia transportada. O valor REN é de 2,28 t CO2/GWh .
G4-EN19 Redução de emissões de GEE Pág. 138-140
G4-EN20 Gestão de impactes na biodiversidade
A REN não gere produtos nem possui serviços que utilizem substâncias depletoras da camada de ozono. Ao longo do tempo, têm sido substituídos os equipamentos de climatização que contêm gases depletores da camada de ozono, de acordo com o plano de substituição de equipamentos da REN.
G4-EN21 NOx, SOx e outras emissões atmosféricas significativas Decorrentes da atividade da REN não são consideradas materiais as emissões de NOx e SOx. Adicionalmente, este indicador não foi considerado relevante pelas nossas partes interessadas.
Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho
SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 122-126
G4-LA5 Colaboradores representados em comissões de segurança e saúde ocupacional
Percentagem da mão-de-obra total representada em comités formais de saúde e segurança: 91%.
G4-LA6 Taxa de lesões, doenças ocupacionais, dias perdidos, absentismo e óbitos resultantes da atividade laboral
Pág. 123
Nº de acidentes com baixa colaboradores REN: 4
Nº de acidentes sem baixa colaboradores REN: 8
Nº de doenças profissionais: 0
G4-LA7 Colaboradores com alta incidência ou alto risco de doenças relacionadas com a sua actividade A REN iniciou em 2014 um trabalho exaustivo realizado por técnicos superiores de segurança de identificação de perigos e avaliação de risco de todas as funções dos seus trabalhadores, através de observação no terreno das actividades realizadas. Cada vez que uma fase deste projecto está concluída ou é revista, a avaliação é objecto de divulgação e análise junto dos médicos do trabalho como forma de input para o trabalho destes contribuindo para eventuais correlações entre as funções e possíveis doenças ocupacionais. Em 2017 não foram identificados na REN trabalhadores expostos a actividades com alta incidência ou alto risco de doenças relacionadas com a actividade.
G4-LA8 Tópicos relativos a saúde e segurança, abrangidos por acordos formais com sindicatos Os tópicos abrangidos encontram-se descritos no Capítulo XI do Acordo Coletivo de Trabalho.
Gestão do Capital Humano e Diversidade
DESEMPENHO ECONÓMICO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-EC3 Cobertura de planos de reforma na organização
Plano de pensões - 4.501    (milhares de euros)
Plano de assistência médica - 528  (milhares de euros)
EMPREGO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-LA1 Número e taxa de novas contratações e taxa de rotatividade por faixa etária, género e região Pág. 112
G4-LA2 Benefícios para os colaboradores a tempo integral, que não são atribuidos aos colaboradores temporários ou a tempo parcial Pág. 122
G4-LA3 Taxas de retorno ao trabalho e retenção após licença parental, por género 100%
G4-EU15 Percentagem de empregados que se vão reformar nos próximos 5 a 10 anos por categoria e por região
5 anos: 14,10%
10 anos: 22,55%. Todos em Portugal. A REN não tem forma de calcular este indicador por categoria.
G4-EU17 Média de colaboradores subcontratados Pág. 123
G4-EU18 Formação de colaboradores subcontratados
Empreiteiros submetidos a formação em Áreas de Segurança: 91      
Empreiteiros com certificação OHSAS18001/NP 4397: 46%
PRÁTICAS LABORAIS G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-LA4 Prazos mínimos de aviso prévio em relação a mudanças operacionais Os prazos de aviso prévio são os decorrentes da Lei Geral de Trabalho.
FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-LA9 Média de horas de formação por ano, por empregado e por categoria Pág. 120
G4-LA10 Programas para gestão de competências e aprendizagem ao longo da vida que suportem a empregabilidade dos empregados e os assistam na gestão dos objectivos de carreira
Nº de Cursos de Formação internos: 36
Nº de períodos sabáticos com reinserção profissional garantida: 0
Nº de programas de apoio à transição para reforma ou demissão: 8
G4-LA11 Colaboradores com avaliação de desempenho e desenvolvimento de carreira
Pág. 121
100% das avaliações foram concluídas, sobre o programa STAR 2016.
DIVERSIDADE E IGUALDADE DE OPORTUNIDADES G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-LA12 Composição dos órgãos sociais da empresa e relação dos trabalhadores por categoria
Pág. 110-124;  315-317
No universo de colaboradores da REN, existem dois colaboradores portadores de deficiência.
IGUALDADE DE REMUNERAÇÃO HOMEM E MULHER G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-LA13 Rácio do salário e renumeração entre homens e mulheres, discriminada por categoria funcional e unidades operacionais relevantes Não existe discriminação da política salarial por género, estando garantida a equidade por categoria profissional, não obstante, a promoção de uma cultura de mérito.
MECANISMOS DE QUEIXAS E RECLAMAÇÕES G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-LA16 Número de reclamações laborais 0. Através do Código de Conduta da REN, bem como no cumprimento da legislação portuguesa a REN garante os direitos laborais dos seus colobaradores. Para mais informação: http://www.ren.pt/pt-PT/sustentabilidade/a_nossa_abordagem/
NÃO DISCIMINAÇÃO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-HR3 Casos de discriminação e ações tomadas A REN cumpre a legislação portuguesa no que respeita a garantia dos direitos humanos e é signatária dos princípios do Global Compact das Nações Unidas. Não foram identificadas situações de discriminação ocorridas durante 2017.
LIBERDADE DE ASSOCIAÇÃO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-HR4 Direito de liberdade de associação e negociação coletiva
A REN garante o direito de liberdade de associação e negociação colectiva de acordo com os princípios éticos e normas de conduta estabelecidos no Código de Conduta. Em 2017 não foram identificadas situações em que o direito de liberdade de associação e negociação colectiva estivesse em risco. Os mecanismos de gestão do direito à greve são garantidos pela legislação nacional em vigor.
TRABALHO INFANTIL G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-HR5 Risco de ocorrência de trabalho infantil A REN cumpre a legislação portuguesa que proíbe a contratação de trabalho infantil e é signatária dos princípios do Global Compact das Nações Unidas. O cumprimento da legislação é validado aquando da supervisão e da realização de auditorias.
TRABALHO FORÇADO OU ESCRAVO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-HR6 Risco de trabalho forçado e escravo A REN cumpre a legislação portuguesa que proíbe o trabalho forçado e é signatária dos princípios do Global Compact das Nações Unidas. O cumprimento da legislação é validado aquando da supervisão e da realização de auditorias.
AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES G4-Formas de Gestão Genéricas
Pág. 51-54
Para os seus potenciais fornecedores a REN estabeleceu também um exigente Código de Conduta no qual define os princípios que aqueles têm de respeitar nas áreas dos (i) direitos humanos, (ii) ambiente, segurança e saúde e (iii) padrões de ética e integridade empresarial.
No âmbito da análise ao cumprimento do Código de Governo das Sociedades da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, foi aprovado pelo Conselho de Administração o Regulamento sobre Transacções com Partes Relacionadas de forma a prever os procedimentos de controlo, pela Comissão de Auditoria, das transacções concluídas ou a concluir pela REN com partes relacionadas e de prevenção de casos de potencial conflito de interesses.
G4-HR10 Fornecedores avaliados sobre direitos humanos O cumprimento da legislação é validado durante a supervisão da subcontratação e durante a realização de auditorias. A REN cumpre a legislação portuguesa, garantindo os direitos humanos espelhados no Código de Conduta da empresa (ver resposta HR1).
G4-HR11 Impactes negativos nos direitos humanos na cadeia de abastecimento e acções tomadas Pág. 51-54. O cumprimento da legislação é validado durante a supervisão da subcontratação e durante a realização de auditorias. A REN cumpre a legislação portuguesa, garantindo os direitos humanos espelhados no Código de Conduta da empresa. Não é do conhecimento da REN qualquer constatação de impactos significativos reais ou potenciais em direitos humanos na cadeia de fornecedores.
MECANISMOS DE QUEIXAS E RECLAMAÇÕES G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-HR12 Mecanismos de Queixas e Reclamações relacionadas com direitos humanos
0. Através do Código de Conduta da REN, bem como no cumprimento da legislação portuguesa a REN garante os direitos laborais dos seus colobaradores. Para mais informação: 
Segurança, Fiabilidade, Qualidade e Garantia de Fornecimento
SAÚDE E SEGURANÇA DO CLIENTE G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-PR1 Fases do ciclo de vida de produtos e serviços em que os impactos na saúde e segurança são avaliados visando melhoria, e a percentagem de produtos e serviços sujeitos a esses procedimentos Pág. 124. Todas a obras da REN são sujeitas a acompanhamento e controlo operacional da legislação portuguesa e de requisitos próprios da empresa, sendo garantida a promoção da segurança e saúde do trabalho. Por outro lado, em 2017, aproximadamente 46% dos empreiteiros e prestadores de serviços da REN tinham sistemas de gestão de segurança implementados e certificados, segundo a norma OHSAS 18001/NP 4397.
G4-PR2 Casos de incumprimento legal relacionados com impactes dos produtos e serviços na saúde e segurança Em 2017, na auditoria de renovação da certificação do sistema integrado de gestão da qualidade, ambiente e segurança e saúde no trabalho, conduzida pela APCER, foi identificada uma não conformidade relacionada com o controlo operacional de equipamentos de trabalho e de produtos químicos (Requisito 4.4.6 - Controlo operacional da Norma NP 4397:2008/OHSAS 18001:2007)
G4-EU25 Número de feridos e mortes, incluindo doenças, provocados pelas infraestruturas da REN a pessoas externas à empresa
0. Não foram registadas ocorrências em 2017.
ROTULAGEM DE PRODUTOS E SERVIÇOS G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-PR3 Tipo de informação dos produtos e servidos requeridos pelos procedimentos, e percentagem de produtos e serviços sujeitos a tais requisitos de informação O serviço prestado pela REN não se destina diretamente ao consumidor final, pelo que não há requisitos de rotulagem ou informação entendidos como muito relevantes.
G4-PR4 Casos de incumprimento legal relacionados com informação sobre produtos e serviços e rotulagem Não foram registados casos de incumprimento relativamente à informação disponibilizada em 2017.
G4-PR5 Satisfação do cliente
A REN faz regularmente uma avaliação da qualidade percebida e do grau de satisfação dos seus clientes, entendidos estes como os utilizadores das suas infraestruturas, ou destinatários dos serviços que presta nos domínios da eletricidade e do gás natural e os próprios clientes internos. Para o efeito, para além da realização de estudos alinhados com a metodologia do ECSI (European Customer Satisfaction Index), no caso dos utilizadores/destinatários das infraestruturas (disponíveis no website da REN[1]), neste momento, está em desenvolvimento um estudo acerca do nível de satisfação dos clientes internos sobre o apoio e capacidadede resposta das Áreas de Suporte e de Apoio às Concessões.
CONFORMIDADE G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-PR9 Multas por incumprimento legal relacionado com a prestação e o uso dos produtos e serviços Não foram registadas em 2017 multas por incumprimento legal relacionado com a prestação e o uso dos produtos e serviços.
DISPONIBIILIDADE E FIABILIDADE DOS PRODUTOS G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 59-62; 110-124
G4-EU10 Cobertura da procura no longo prazo (incluindo reserva)
A REN colabora com a Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG) na monitorização da segurança de abastecimento do SEN e do SNGN. 
Com base em elementos prospetivos de referência sobre a evolução do sistema eletroprodutor e do sistema nacional de gás natural no médio e no longo prazo, a monitorização da segurança de abastecimento consiste nomeadamente na avaliação do equilíbrio oferta-procura, tendo em conta cenários de evolução da procura e dos fornecimentos disponíveis, incluindo os acréscimos de capacidade em construção ou previstos, elementos necessários à preparação de propostas de relatórios de monitorização da segurança de abastecimento da eletricidade e do gás natural.
EFICIÊNCIA DO SISTEMA ENERGÉTICO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 59-62; 110-124
G4-EU11 Eficiência de geração média, por fonte de energia e por país ou regime regulatório A REN não possui atividade de produção de energia pelo que não é efetuado este tipo de análise.
G4-EU12 Eficiência no transporte e distribuição de energia Pág. 65-79
ACESSO AOS SERVIÇOS/PRODUTOS G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 59-62; 110-124
G4-EU26 Percentagem da população não abastecida em zonas de distribuição concessionada, por área rural e urbana A atividade da REN não inclui a distribuição de energia, pelo que este indicador não é aplicável.
G4-EU27 Cortes de abastecimento doméstico e respetiva duração devido a não pagamento A atividade da REN não inclui a distribuição, pelo que este indicador não é aplicável.
G4-EU28 Interrupção do abastecimento Pág. 66
G4-EU29 Duração média das interrupções do abastecimento Pág. 66
G4-EU30 Coeficiente médio de disponibilidade de uma central por fonte de energia, país e regime regulatório A atividade da REN não inclui a distribuição, pelo que este indicador não é aplicável.
Impacto nas Comunidades
COMUNIDADE G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124; 126-127
G4-SO1 Natureza, âmbito e eficácia de quaisquer programas e práticas para avaliar e gerir os impactos das operações nas comunidades, incluindo a entrada, operação e saída Pág. 126-127
G4-SO2 Operações com impactes negativos nas comunidades locais Pág. 126-127
G4-EU22 Deslocação de pessoas em resultado da expansão ou construção de centros de produção e linhas de transporte, do ponto de vista económico e físico A construção da infraestrutura a nível nacional tem uma forte componente suportada por subcontratação externa, a maioria realizada a nível local.
IMPACTO ECONÓMICO INDIRETO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 126-127
G4-EC7 Desenvolvimento e impacto de investimentos em infraestruturas e serviços oferecidos
Pág. 126-127.                                                                                                      
Proprietários (contactos): 28000
Processos de indeminização concluídos a proprietários: 1832
Registos em base de dados de proprietários: 75000
G4-EC8 Impactes económicos indiretos significativos, inclusive a extensão dos impactes Pág. 126-127
CORRUPÇÃO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 33, 52, 387
G4-SO3 Avaliação de riscos de corrupção As contas do Grupo são sujeitas a auditoria externa e são objeto de certificação legal, nos termos das normas aplicáveis, não sendo, por isso, nossa prática proceder a uma análise especificamente dedicada ao de risco de corrupção dentro das unidades ou áreas de negócio. É de realçar que não existe, até à data, qualquer processo, designadamente em fase de inquérito, contra as empresas da REN.
G4-SO4 Formação dos colaboradores em práticas anticorrupção
0%
Embora a REN não tenha promovido qualquer ação de formação específica sobre políticas e procedimentos anticorrupção, o Código de Conduta da empresa define os mecanismos para comunicação de eventuais irregularidades ou infrações ao código (artigo 20º).
G4-SO5 Medidas tomadas em caso de corrupção Não foi identificado nenhum caso de corrupção em nenhuma das empresas da REN. Vide SO3
CONFORMIDADE G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-SO8 Valor monetário de multas significativas e número total de sanções não monetárias por não cumprimento de leis e regulações Em 2017 não ocorreram multas ou sanções não monetárias.
MECANISMOS DE QUEIXAS E RECLAMAÇÕES G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-SO11 Número de reclamações relacionadas com impactes na sociedade
0. Através do Código de Conduta da REN a REN prevê os respectivos mecanismos para apresentação de queixas e reclamações. Para mais informação: 
Desempenho Económico
DESEMPENHO ECONÓMICO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124; 150
G4-EC1 Criação e distribuição de valor
Valor económico direto criado: 330 milhões de euros
Valor económico direto distribuído: 317 milhões de euros
Valor económico direto dos acionistas retido: 12 milhões de euros
G4-EC4 Comparticipações financeiras ao investimento Em 2017 a REN recebeu 0  euros relativos a comparticipações financeiras ao investimento.
Respeito pelos Direitos Humanos
INVESTIMENTO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-HR1 Acordos de investimento com cláusulas sobre direitos humanos
Em Portugal os aspectos relacionados com os direitos humanos estão contemplados na Constituição e da lei geral do trabalho. 
No entanto, a REN tem em preparação uma especificação, a incluir nos cadernos de encargos, que endereçará requisitos em matéria de responsabilidade social a cumprir em empreitadas e prestação de serviços, onde se incluem os direitos humanos. 
G4-HR2 Formação dos colaboradores quanto a direitos humanos
0%
Embora a REN não tenha promovido qualquer ação de formação específica sobre direitos humanos, o Código de Conduta da empresa contempla o cumprimento dos direitos humanos, sendo conhecido de todos os colaboradores. Adicionalmente a REN é signatária dos princípios do Global Compact das Nações Unidas.
PRÁTICAS DE SEGURANÇA G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-HR7 Percentagem de pessoal de segurança treinado nas politicas e procedimentos relativos a aspectos de direitos humanos relevantes para as operações da organização 0%. A REN cumpre a legislação portuguesa no que respeita a garantia dos direitos humanos e é signatária dos princípios do Global Compact das Nações Unidas. O cumprimento da legislação é validado durante a supervisão da subcontratação e durante a realização de auditorias.
AVALIAÇÃO G4-Formas de Gestão Genéricas Pág. 110-124
G4-HR9 Percentagem e número total de operações que tenham sido sujeitas a avaliações de direitos humanos e/ou avaliações de impacto Pág. 51-54. A atividade da REN é desenvolvida em Portugal, pelo que este indicador não é aplicável.
Notas Metodológicas
EC1 Valor económico criado Corresponde ao somatório do valor acrescentado líquido, proveitos líquidos não inerentes ao VAB, proveitos financeiros e dividendos de empresas participadas, subtraído de outros custos e perdas.
EC1 Valor económico distribuído Corresponde aos custos com os colaboradores e corpos gerentes, dividendos pagos aos acionistas, pagamento de juros, pagamentos ao Estado em taxas, IRC e apoio à comunidade.
EC1 Valor económico acumulado Corresponde à subtração do valor económico direto criado pelo valor económico distribuído.
EN3 Gasóleo Fator de conversão: 0,837 kg/litro (Fonte: APA (2014) http://www.apambiente.pt/_zdata/DPAAC/CELE/tabela_densidades_combustiveis_2013.pdf) PCI: 42,6 GJ/t (Fonte: Agência Portuguesa do Ambiente - Portuguese National Inventory Report on Greenhouse Gases 1990-2015, 2017 (pág. 3-99, tabela 3.89)).
EN3 Gasolina Fator de conversão: 0,7475 kg/litro (Fonte: Decreto-Lei nº 142/2010, de 31 de dezembro) PCI: 44 GJ/t (Fonte: Agência Portuguesa do Ambiente - Portuguese National Inventory Report on Greenhouse Gases 1990-2015, 2017 (pág. 3-99, tabela 3.89)).
EN3 Gás natural Poder calorífico inferior do gás natural retirado da tabela da Agência Portuguesa do Ambiente de valores de poder calorífico inferior, fator de emissão e fator de oxidação obtidos a partir do Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas (INERPA) publicado em 2013: 38,44 GJ/t
EN3 Propano Fator de conversão (LHV) para LPG: 46 GJ/t (Fonte: Agência Portuguesa do Ambiente - Portuguese National Inventory Report on Greenhouse Gases 1990-2015, 2017 (pág. 3-99, tabela 3.89))
EN15+EN16 Emissões diretas e indiretas de gases com efeito de estufa Quantidade total de emissões de gases com efeito de estufa, emitidos diretamente (SF6 usado como isolador dielétrico, CH4 das purgas do gasoduto e CO2 da queima das caldeiras) e emitidos indiretamente (através do consumo de eletricidade e das perdas na rede). 
EN15+EN16 Eletricidade Fator de Emissão: 0,0003091 t CO2/kWh (à data, ainda não se encontrava disponível o fator de 2017, pelo que deve ser considerado o de 2016. Fonte: https://www.edp.pt/empresas/apoio-cliente/origem-energia/)
EN15+EN16 Gasóleo Fator de Emissão: 0,0741 tCO2/GJ (Fonte: Agência Portuguesa do Ambiente - Portuguese National Inventory Report on Greenhouse Gases 1990-2015, 2017 (pág. 3-99, tabela 3.90))
EN15+EN16 Gasolina Fator de Emissão: 0,0693 tCO2/GJ (Fonte: Agência Portuguesa do Ambiente - Portuguese National Inventory Report on Greenhouse Gases 1990-2015, 2017 (pág. 3-99, tabela 3.90))
EN15+EN16 Gás natural Fator de Emissão: 0,0561 tCO2/GJ (Fonte: Agência Portuguesa do Ambiente - Portuguese National Inventory Report on Greenhouse Gases 1990-2015, 2017 (pág. 3-99, tabela 3.90))
EN15+EN16 Propano Fator de Emissão: 0,061 tCO2/GJ (Fonte: Agência Portuguesa do Ambiente - Portuguese National Inventory Report on Greenhouse Gases 1990-2015, 2017 (pág. 3-99, tabela 3.89)
EN15+EN16 CH4 (purgas) Valor de potencial de aquecimento global do CH4 definido pelo Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC 2013): 28 tCO2eq (considerada uma composição de 87,89% CH4 no gás natural)
EN15+EN16 SF6 (fugas) Valor de potencial de aquecimento global do SF6 definido pelo Regulamento (CE) n.º 517/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de abril de 2014 , relativo a determinados gases fluorados com efeito de estufa: 22.800 tCO2eq
EN17 Outras emissões indiretas de gases com efeito de estufa Valor calculado pela agência de viagens, com base nos kms apurados e na aplicação de um valor de referência. O valor de referencia 0,289 foi calculado de acordo com o GHG Protocol, ex: O número de milhas percorridas é multiplicado por 1,61 para a determinar os quilómetros viajados. Para se determinar as emissões de GEE, os quilómetros são multiplicados pelo fator de emissão igual a 0,18 kg CO2 por km.
LA1 Taxa de rotatividade ? saídas / headcount médio (colaboradores do quadro permanente + contratados a termo + estagiários profissionais)
LA6 Taxa de absentismo
Quociente da soma das ausências remuneradas (por doença, sinistro, maternidade e outras razões) e ausências não remuneradas, pelo número total de horas teóricas de trabalho. Horas de ausência = horas não trabalhadas ocorridas por motivo de Doença, Acidente de Trabalho, Assuntos Pessoais e outras ausências remuneradas e não remuneradas.
Não são consideradas para o cômputo as horas motivadas por gozo de licenças parentais, bem ainda as horas justificadas por motivos familiares (assistência a filhos, casamento e falecimento).
LA6 Índice de incidência Mede o número de acidentes de trabalho mortais e não mortais ocorridos num dado período por cada mil colaboradores expostos ao risco no mesmo período
LA6 Índice de gravidade total Mede o número de dias perdidos com acidentes não mortais e mortais (1 acidente mortal = 7500 dias perdidos) contabilizados num determinado período por cada milhão de horas trabalhadas.
LA6 Índice de gravidade Mede o número de dias perdidos com acidentes não mortais que ocorrem num determinado período de tempo por cada milhão de horas trabalhadas nesse mesmo período
LA6 Horas potenciais trabalháveis Número de horas teoricamente trabalháveis tendo em conta apenas o período normal de trabalho efetuado pelos trabalhadores nos dias úteis do ano (com exclusão, portanto, de férias e feriados)
LA9 Horas de Formação por Colaborador ? horas de formação / headcount médio (colaboradores do quadro permanente + contratados a termo + estagiários profissionais).
EU28 Frequência média de interrupção do sistema (SAIFI) Quociente do número total de interrupções nos pontos de entrega, durante determinado período, pelo número total dos pontos de entrega, nesse mesmo período. Eletricidade: O SAIFI corresponde ao número médio de interrupções acidentais de tempo superior a três minutos verificado nos pontos de entrega num determinado intervalo de tempo. Gás: Número médio de interrupções por ponto de saída: quociente do número total de interrupções nos pontos de saída, durante determinado período, pelo número total dos pontos de saída, no fim do período considerado.
EU29 Duração média das interrupções do sistema (SAIDI) Quociente da soma dos tempos das interrupções nos pontos de entrega, durante determinado período, pelo número total dos pontos de entrega, nesse mesmo período. Eletricidade: O SAIDI para um determinado período de tempo (um ano, geralmente) é o tempo médio das interrupções acidentais de tempo superior a três minutos nos pontos de entrega. Gás: Duração média das interrupções por ponto de saída (min/ponto de saída): quociente da soma das durações das interrupções nos pontos de saída, durante determinado período, pelo número total de pontos de saída existentes no fim do período considerado.