menu
 
 

REN

Comunicados Comunicados
Comunicados

Media

‹ VOLTAR

REN com lucros de 64,1M€

 

• EBITDA situa-se em 259,9M€
• Subida de 2,9% do RAB médio
• CAPEX situa-se nos 58,9M€
• Melhoria do custo médio da dívida para 5,65%• Melhoria do custo médio da dívida para 5,65%

A REN apresentou lucros de 64,1 milhões de euros no 1S de 2013, em linha com as expectativas da empresa, o que representa um decréscimo de 9,3% face ao período homólogo de 2012. A influenciar estes resultados esteve a redução da taxa de remuneração dos ativos elétricos, decorrente da redução do nível dos CDS (credit default swaps) da República Portuguesa aos quais está indexada. O impacto favorável dessa redução ao nível dos custos financeiros só se fará sentir plenamente em 2014.

 O EBITDA fixou-se nos 259,9 milhões de euros -0.7% que no período homólogo. A penalizar este resultado esteve o forte recuo da taxa de remuneração base dos activos eléctricos, de 9,76% para 8,03% nos primeiros seis meses do ano face ao homólogo. Pelo seu lado, os custos operacionais (OPEX) registaram uma descida de 4,2% face ao semestre homólogo.

Destaque ainda para a ligeira descida do custo médio da dívida, o qual passou de 5,7% para 5,65%. Esta evolução corresponde a uma inversão da tendência ascendente dos últimos três anos e irá contribuir para uma evolução positiva dos resultados financeiros líquidos até ao final do ano. Estes resultados beneficiaram, neste semestre, dos dividendos atribuídos pelas empresas de que a REN é accionista (HCB, Red Eletrica España e Enagás).

O CAPEX situou-se em 58,9 milhões de euros, o que reflecte o já esperado abrandamento do investimento em infraestruturas de gás natural e eletricidade em Portugal. A Base de Activos Regulados (RAB) apresentou um valor médio no semestre de 3.416 milhões de euros, um aumento de 2,9% em relação ao período correspondente de 2012.

Para Rui Cartaxo, CEO da REN “os ganhos de eficiência operacional da REN, associados à progressiva redução do custo médio da dívida permitirão que o resultado negativo do início do ano motivado pela quebra dos proveitos regulados seja progressivamente absorvido, como já se notou neste 2ºtrimestre”.